Violência Doméstica


Vamos abrir uma aspa aqui no blog para um assunto de suma importância
A Violência Contra a Mulher!


O projeto RAABE foi criado para valorizar o lar de mulheres que se encontram passando a violência Doméstica e familiar e que precisam de ajuda psicológica ou emocional. Muitos são os lares agredidos por parceiros que casaram para serem felizes. Hoje o que mais a mídia mostra são lares destruídos pela violência.
Nossa sociedade tem contribuído ao aceitar valores errados, desde tempos remotos. No papel  homemXmulher criou-se uma cultura de competição, e foi esquecido o respeito pelo ser humano.
A mulher por mais que queira alcançar objetivos, não pode esquecer que ela é mulher, feminina, delicada, que gosta de se cuidar.
A natureza do homem é prática e resistente, por ser homem a sua criação é de ser provedor. Quando homem e mulher entenderem seu devido lugar, criarão dentro de si uma força de apoio e não uma muralha de problemas.
O projeto Raabe estende sua força a lares que também passaram a violência doméstica e hoje contam, como sobreviventes, como superaram, a maneira de não se igualar aos homens, mas sim somar com eles as suas diferenças, porém nunca serem desiguais.
Ninguém precisa competir dentro de casa, pois, por natureza, cada um encontrará o lugar para desenvolver seu papel apropriado. Basta usar a sua inteligência e uma vez, aflorando as diferenças, pelo menos um dê um passo atrás, assim saindo do ambiente contaminado, minutos depois sua consciência vale repensar.
Projeto Raabe em busca de vidas escuras, levando a luz necessária para alcançar um sobrevivente.

O Trabalho

Hoje, a cada 5 minutos, milhares de mulheres são espancadas, violadas, e é revoltante o que estamos presenciando. O projeto Raabe vem exercendo o papel de responsabilidade social; mensalmente desenvolve uma evangelização nas visitas às delegacias de mulheres, um lugar onde diariamente as ocorrências são feitas em decorrência da violência doméstica.
O Projeto foi criado para ajudar mulheres que sofreram ou sofrem com a violência doméstica, a superar os traumas e seguir em frente. Para isso são realizadas reuniões mensais e palestras com assistente social, psicólogas, advogadas, com o intuito de dar suporte a mulheres vítimas de agressão; O projeto tem alcançado mulheres de todas as idades com relatos de maus tratos e abusos sexuais, e ao chegarem são atendidas individualmente onde recebem uma palavra de cura e balsamo para a sua dor, e à partir desse primeiro encontro as voluntárias passam a acompanhar a Sobrevivente (no projeto Raabe não chamamos as mulheres de vitima, mas chamamos de sobreviventes).

Rompendo o Silêncio

Essa é a nossa segunda marcha marcando o evento Rompendo o Silêncio.



Desde a primeira, que deu início ao Projeto Raabe, temos recebido inúmeros pedidos de aconselhamento. Compreendo o quão difícil é para qualquer pessoa falar sobre o assunto, uma vez que ainda sofre das consequências emocionais do abuso, e também é difícil confiar em alguém para contar algo tão pessoal.
Mas se você não está preparada a confrontar os fantasmas do passado, não conseguirá superá-los. As imagens traumáticas sempre estarão escondidas em seus pensamentos, trazendo insegurança, complexos e medo, e a levarão a tomar decisões erradas.
Talvez você pense que nunca vai encontrar alguém para se casar e ter a sua própria família, então aceita entrar num relacionamento em que seu parceiro a diminua e não respeite. Ou quem sabe você pense que sua dignidade lhe foi roubada e a melhor solução é assumir uma vida de promiscuidade, prostituição ou tornar-se abusiva a outros.
Esse círculo vicioso continua em nossa sociedade e muitas perdem o sentido de viver, dando cabo da vida por não encontrar uma saída.
Pense no exemplo da criança que caiu e machucou o seu joelho. Sua primeira atitude é passar a mão no ferimento e ir em frente. Mas a mãe, ao ver a ferida, logo passa um antisséptico forte para limpar a pele e remover as bactérias, sabendo que nesse processo de assepsia, a ferida vai sangrar e vai doer novamente.
Quando rompe o silêncio, você passa o antisséptico de Deus na sua ferida. Você vai sentir a dor, a vergonha, ódio, nojo, mas vai se tornar forte e superar o que ocorreu. Fechar-se para o mundo ou negar a realidade de que sofreu um abuso não é a solução. A sua dor só vai crescer e apodrecer o seu interior.
Essa é a oportunidade: o evento Rompendo o Silêncio, onde outras mulheres que passaram pelo mesmo, mas venceram, estarão lá para lhe ouvir e lhe motivar.

Para mais informações, Aguarde! 
Esse evento ocorre em muitas capitais do Brasil e no mundo na mesma data e no mesmo horário! 



Caso precise de maiores informações ou atendimento:



Nenhum comentário:

Postar um comentário