16 de maio de 2012

Eu sei o que tenho que fazer

Mas não faz...

Aí é que está o seu problema. Muita gente sofre por ignorância, por não saber o que fazer. Mas creio que há ainda mais pessoas que sofrem por não praticarem o que já sabem.

Foi para estas pessoas que o Senhor Jesus dirigiu estas palavras:

Volta à prática das primeiras obras. Apoc. 2.5    

Quer dizer, você costumava fazer o que é certo. Sabia o que funcionava, pois praticou aquilo por muito tempo. E colheu os bons frutos. Mas por alguma razão, você deixou de praticar. E os resultados têm sido catastróficos.
Você sabe o que tem que fazer, mas entre seu saber e seu fazer existem algumas muralhas:

*orgulho
*vergonha
*teimosia
*sentimentos de mágoa
*preguiça
*distrações
*acomodação com sua situação atual
*dúvidas
*medo de fracassar e nunca conseguir ser como era antes
*indecisão
*procrastinação

Parece que você está tão longe das primeiras obras que nunca conseguirá resgatá-las. Mas a verdade é que você está bem perto, tão perto quanto a sala ao lado de onde você está agora. Para entrar na sala ao lado, você só precisa passar pela porta. Para você voltar às primeiras obras, você só precisa tomar a decisão de começar agora. É difícil tomar a decisão? Claro que não. O difícil, talvez você pense, é como manter a decisão…

Não se preocupe. Não fique ansioso com o que vai acontecer mais tarde hoje, amanhã, ou depois. Preocupe-se apenas com o agora. Tome a decisão agora de fazer o que você sabe que tem que fazer. Daí faça. E depois, mais tarde, continue fazendo. Quando bater um desânimo ou der de cara com qualquer uma das muralhas acima, lembre-se, tome novamente a decisão de continuar nas primeiras obras. Esta decisão constante de fazer o que é certo é a porta que nos conduz ao sucesso.

É simples assim. Dificuldade e facilidade somos nós que criamos.

Pense agora nas coisas que você sabe que tem que fazer mas não tem feito, e tome a decisão de começar a fazê-las já—pelo menos uma coisa, e não importa quão pequeno o primeiro passo. Comece já, logo ao terminar de ler este blog.

Não me diga o que sabe. Diga-me o que vai fazer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário